Animais abandonados, um problema de todos

São Luiz Gonzaga possui uma quantidade muito grande de animais abandonados por seus donos, a maioria é composta por cachorros, principalmente fêmeas

Animais domésticos abandonados causam problemas nos centros urbanos. As preocupações dão-se por conta da transmissão de doenças, em relação à limpeza urbana e também com questões de proteção aos animais.

Em São Luiz Gonzaga existe uma quantidade relevante de animais domésticos abandonados por seus donos, principalmente cachorros, mas também se encontram alguns gatos em condição de abandono.

Não há dados precisos sobre o número de animais, mas fazendo uma contagem aproximada chegamos rapidamente a duzentos. Isso sem contar aqueles que estão sob a guarda de pessoas abnegadas que usam seu tempo e dinheiro para acolher os bichos em suas casas. Esses estão em um lar, recebendo carinho e alimentação, mesmo que não seja com seus donos originais.

Os anjos da guarda

Para ilustrar o trabalho que é feito por inúmeras pessoas da comunidade em relação à proteção dos animais destacamos duas pessoas: Laureano Castilhos e Diane Lúcia Rieger.

Laureano é professor, contou-nos um pouco de sua história, dizendo que sempre gostou muito de animais, mas se dedica completamente a eles há quatro anos. Tudo começou em seus passeios de bicicleta pela região, “quando saía pelas estradas pedalando via vários filhotinhos largados nas rodovias, sempre magros e doentes, um dia resolvi que iria ajudá-los”, afirma Laureano.

O professor disse à nossa reportagem que o número de animais abandonados cresce a cada dia. Seu trabalho consiste em alimentar e tratar os animais, diariamente percorre a cidade, são mais de trinta pontos onde alimenta os cachorros e gatos, além disso, aplica vacinas em mais de 20 fêmeas, que mantém cadastradas para vaciná-las a cada seis meses, evitando assim que reproduzam.

Disse que muitas vezes é tratado de forma ríspida por alguns moradores, mas afirma que não vai deixar de ajudar os animais. Disse que outro problema dos animais é em relação à sarna e vermes, que também trata.

Laureano recebe alguma ajuda de pessoas para executar seu trabalho, mas afirma que os gastos são muito grandes. Pede que aqueles que quiserem doar ração ou remédios liguem para 3352-5952, que ele vai buscar. Disse que não aceita doações em dinheiro para evitar “falações”.

O professor perde a calma quando fala sobre o descaso do poder público com a questão dos animais abandonados, “não fazem nada”, afirma. Também pede que os donos vacinem as fêmeas para que não procriem.

Diane Lúcia Rieger, proprietária de uma farmácia, relatou que sempre gostou de animais e sempre teve cachorros em sua casa: “o primeiro que eu levei pra casa eu encontrei perto do Corpo de Bombeiros. Ele estava bastante doente e apresentava queimaduras, pois tinham jogado água quente. Isso fazem uns 5 anos”

Há cerca de dois anos Diane pegou dois cachorros para seus filhos que na época tinham sete e 11 anos. Os cachorros morreram envenenados e Diane prometeu tratar todos os cachorros que encontrasse na rua: “quando os cachorros morreram, eu me indignei e disse que a partir daquele momento eu ia tirar todos os cachorros que eu encontrasse na rua.”

Desde então, Diane procura tratar e alimentar todos os cachorros abandonados que encontra na rua. Em sua casa, atualmente, Diane possui mais de 30 animais. Questionada sobre a maior dificuldade encontrada, Diane fala que é difícil manter um grande número de animais, pois além da alimentação existem também despesas com remédios, vacinas, veterinário e até cirurgias.

Diane acredita que com a instalação do canil municipal a situação irá melhorar: “eu acho que vai ajudar bastante porque tem muito bicho abandonado e a gente faz o que pode, mas não pode ajudar todos, né.”

Fotos: Guia São Luiz

Filhote foi encontrado na estrada por Laureano

Cadelas com filhotes são constantes nas ruas

Cachorro dorme em cima de cadeira

Animais de raça também são abandonados

Diane faz comida para os animais neste fogão

Divulgue!